segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Glowing in the dark...


And as we wind on down the road
Our shadows taller than our soul
There walks a lady we all know
Who shines white light and wants to show
How everything still turns to gold
And if you listen very hard
The tune will come to you at last
When all are one and one is all
To be a rock and not to roll
And shes buying a stairway to heaven...

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Qual foi a onda mais lisérgica da sua vida?



Começava assim: primeiro eu tomava aquele sacolé mais vermelho, de groselha, me lambuzando toda.
Depois rolava na areia, prática que eu costumava chamar de bife à milanesa.
E então, corria pro mar para pegar mais uma daquelas que foram as ondas mais eletrizantes da minha vida... o bom e velho jacaré.
Lisérgica mesmo era a infância, onde tudo era colorido e infinito na casa de praia da minha vó em Floripa!

terça-feira, 16 de setembro de 2008

A Bailarina II


A bailarina comove a platéia
com o corpo entregue à metáfora.

Intensa, adianta o relógio
do corpo - simula o acaso
divino. De tantas
que em si mesma carrega,
elege a mais leve,
a mais solta.

Em fugaz beleza,
no palco se move.
A neblina do olhar da platéia
a recobre de íntimas fomes.
De uma e de outra, emanam
descuidos de paz. O indizível
floresce, floresce, floresce.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

A Bailarina


Bailarina

Muitos braços
e nenhum
- onde fixa o corpo
a bailarina?

Nada mensura
o giro - segue
o imprevisto
a partir do início.

Um risco sem fim
no palco
- ocupado de vapor
ou carne?

Depois acaba,
mas mesmo assim
é a cortina
que desaba.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Coisa de ballarina

Essa é a vitrine mais linda que eu já vi na minha vida! É de uma loja de ballet em Paris, pertinho da Ópera e da Bastilha. Eu queria morar lá dentro, e dormir no meio desses tutus e sapatilhas...

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Pérolas



Separei algumas pérolas do livro que eu estou lendo: "Quando Nietzsche Chorou". Engraçado que até esta altura do campeonato (mas que campeonato?) ele ainda não chorou. Já eu... pareço uma idiota lendo, sublinhando com meu "lapinhos" ( minha versão para diminutivo de lápis) e soluçando dentro do ônibus voltando pra casa...

"É preciso ter caos e frenesi dentro de si para dar à luz uma estrela dançante."

Esta é disparada a melhor frase até agora, evidentemente por causa da excelente combinação palavras: caos, frenesi e estrela dançante. Peguei uma figura que tentasse representar isso. Acabou que a figura extrapolou o pensamento, e ainda colocou mais macaquinhos no meu sótão, ou abóboras nos cachos.

Vou colocando os outros pensamentos aos poucos, alguns categorizados, outros somente em pontitos. Afinal, "de que serve um livro se não nos transporta além de todos os livros?" (id. ibid) rsrs...

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Figurinhas


Recebi este link com várias gravuras legais, todas femininas, achei lindas e vou colocar algumas aqui de vez em quando... o link é só um post no site da Smash Magazine, que na realidade é um paraíso para quem gosta de design, artes, moda, publicidade etc. Excelente fonte de inspiração!

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Empresas legais para se trabalhar

Ok, ok, sei que tudo isso é muito blasé... Mas vai dizer que tu não preferias trabalhar numa empresas destas aqui do que ficar aí mofando nesse escritório de direito, ou de contabilidade, ou repartição pública???

Great Place to Work - o próprio nome já diz... http://www.greatplacetowork.com.br/

Trama - Gravadora independente http://www.trama.com.br/

Biscoito Fino - Gravadora independente http://www.biscoitofino.com.br/

Osklen - Não é pela loja, como já diria uma amiga "é todo um conceito..." http://www.osklen.com.br/

O2 Filmes - Produtora de filmes e comerciais http://www.o2filmes.com/

Conspiração Filmes - idem http://www.conspira.com.br/

No momento são essas as que me surgiram na idéia, aceito sugestões!!!

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Crônicas Legais - Da série: Isso explica muita coisa...

OS QUATRO FANTASMAS - Martha Medeiros

Leiga, totalmente leiga em psicanálise, é o que eu sou (ela, a Martha, eu já saco um pouquinho mais... hehehe)
Mas interessada como se dela dependesse minha sobrevivência. Para saciar essa minha curiosidade, costumo ler alguns livros sobre o assunto e outro dia, envolvida por um texto instigante me deparei com as quatro principais questões que assombram nossas vidas e que determinam nossa sanidade mental.
São elas:
1) Sabemos que vamos morrer.
2) Somos livres para viver como desejamos.
3) Nossa solidão é intrínseca.
4) A vida não tem sentido.
Basicamente, isso. Nossas maiores angústias e dificuldades advêm da maneira como lidamos com nossa finitude, com nossa liberdade, com nossa solidão e com a gratuidade da vida. Sábio é aquele que, diante dessas quatro verdades, não se desespera.
Realmente, não são questões fáceis. A consciência de que vamos morrer talvez seja a mais desestabilizadora, mas costumamos pensar nisso apenas quando há uma ameaça concreta: o diagnóstico de uma doença ou o avanço da idade.
As outras perturbações são mais corriqueiras. Somos livres para escolher o que fazer de nossas vidas, e isso é amedrontador, pois coloca responsabilidade em nossas mãos.
A solidão assusta, mas sabemos que há como conviver com ela: basta que a gente dê conteúdo à nossa existência, que tenhamos uma vontade incessante de aprender, de saber, de se autoconhecer.
Quanto à gratuidade da vida, alguns resolvem com religião, outros com bom humor e humildade. O que estamos fazendo aqui? Estamos todos de passagem. Portanto, não aborreça os outros e nem a si próprio, trade de fazer o bem e de sedivertir, que já é um grande projeto pessoal.
Volto a destacar: bom humor e humildade são essenciais para ficarmos em paz. Os arrogantes são os que menos conseguem conviver com a finitude, a liberdade, com a solidão e com a falta de sentido da vida. Eles se julgam imortais, eles querem ditar as regras para os outros, eles recusam o silêncio e não vivem sem os aplausos e holofotes, dos quais são patéticos dependentes. A arrogância e a falta de humor conduzem muita gente a um sofrimento que poderia ser bastante minimizado: bastaria que eles tivessem mais tolerância diante das incertezas.
Tudo é incerto, a começar pelo dia e a hora da nossa morte. Incerto é o nosso destino, pois, por mais que façamos escolhas, elas só se mostrarão acertadas ou desastrosas lá adiante, na hora do balanço final. Incertos são nossos amores, e por isso é tão importante sentir-se bem mesmo estando só. Enfim, incerta é a vida e tudo o que ela comporta. Somos aprendizes, somos novatos, mas beneficiários de uma dádiva: nascemos. Tivemos a chance de existir. De se relacionar. De fazer tentativas.
O sentido disso tudo? Fazer parte. Simplesmente fazer parte. Muitos têm uma dificuldade tremenda em aceitar essa transitoriedade. Por isso a psicoterapia é tão benéfica. Ela estende a mão e ajuda adomar nosso medo. Só convivendo com esses quatro fantasmas - finitude, liberdade, solidão e falta de sentido da vida - é que conseguiremos atravessar os dias de forma mais alegre e desassombrada.

sábado, 5 de julho de 2008

Livros Legais II - Da série: Como ser fútil, se divertir e continuar inteligente.

MARIAN KEYES


Melancia - O primeiro, uma história deveras complicada;

Sushi - O verdadeiro conto de fadas londrino;

Agora ou Nunca - Muitas descobertas e mudanças ao mesmo tempo... (ah, se na vida real as nossas neuras sumissem na mesma velocidade em que se viram as páginas!);

Casório, Los Angeles e Férias - ainda não lidos, constam da minha to-do-list.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Livros Legais I - Da série: O autor que você queria ler na sua faculdade de Psicologia mas não tinha idéia de que existia.

IRVIN YALOM


Quando Niezsche Chorou - A obra prima!

Mentiras no Divã - Um romance impecável, riquíssimo nos detalhes.

O Carrasco do Amor - Humm, isso explica muita coisa...

A Cura de Schopenhauer (já comprei, mas ainda não li, recomendo mesmo assim)

Mamãe e o Sentido da vida (idem)

Os desafios da Terapia (ibidem)

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Boas-vindas - uma música legal (e que vem a calhar)

Podem chamar o Caetano de chato, demagogo, polêmico et cetera. Eu também já gostei mais dele, mas continuo gostando muito dessa música. E outra, acho que nenhuma música é chata ou brega quando faz parte da nossa trilha sonora. Essa música me lembra minha mãe, lembro de nós duas cantando juntas. E podem ter certeza, a minha mãe é muuuito legal, pois se até o genro e a nora dela dizem isso!

Voltando ao Caetano, depois dele apresentar toda a família ao filho que estava nascendo, ele canta assim:


"Lhe damos as boas-vindas
Boas-vindas, boas-vindas
Venha conhecer a vida
Eu digo que ela é gostosa
Tem o sol e tem a lua
Tem o medo e tem a rosa
Eu digo que ela é gostosa
Tem a noite e tem o dia
A poesia e tem a prosa
Eu digo que ela é gostosa
Tem a morte e tem o amor
E tem o mote e tem a glosa
Eu digo que ela é gostosa
Eu digo que ela é gostosa..."

Uma foto legal


Uma praia do Nordeste. Um chapéu de palha pra proteger do sol. Um galho encontrado pelo chão. Nós dois e mais ninguém. Não há exemplo de dia mais legal!

Começamos...

Este blog surgiu por vários motivos diferentes e ao mesmo tempo relacionados entre si. O nome inicial era pra ser só "Coisas Legais" mas quando fui ver já existia. Uma pena! Pena maior ainda porque a dona do Coisas Legais, a Magda (só podia ter esse nome) criou este blog em 2001, dizendo que ia postar um monte de coisas legais e até hoje, nada... ou seja, gastou um nome legal à toa. Ou de repente ela morreu, sei lá. Quem vai saber?

Domingo, Outubro 21, 2001
Oi, você está entrando no lugar mais legal do mundo onde você vai encontrar um monte de coisas legais. publicada por Magda às


Aí tentei o "Só Coisas Legais" e, adivinhem, outro blog inativo... O tal do Sérginho (será que ninguém falou pra ele que quando o nome vai pro diminutivo o acento cai???) não se deu o trabalho nem de colocar um post inicial.
Então, um dos primeiros motivos por que criei este blog: porque odeio gente sem atitude, que promete mundos e fundos, diz que vai fazer e acontecer e no final, nada.
Well...
Resolvi que o nome do meu seria "Muitas Coisas Legais", adoro o muito. Aprendi com meu pai que na vida a gente tem que querer MUITO, SEMPRE E TUDO.